"SINTO MUITO, SENHORA", NUNCA MAIS!

Uma abordagem diferenciada do atendimento

Excelente atendimento é obrigação de qualquer empresa. Isso é óbvio. Mas se é óbvio, porque é tão difícil recebermos um excelente atendimento? Simplesmente porque o óbvio é ignorado.

E de tanto ser ignorado, resolvi dar voz a ele. E já que óbvio é lugar-comum, resolvi ir além. Este livro é resultado disso.

Mais do que mostrar (e provar) o óbvio, ele é um grito desesperado de clientes cansados de serem tratados com descaso, cansados de serem ignorados quando fazem uma reclamação, cansados de ouvirem “Sinto muito, Senhora!”, e de tantos outros esgotamentos que nós, clientes, somos obrigados a engolir.

Revolucione o atendimento prestado, conquistando e fidelizando mais clientes, aumentando a receita de sua empresa, apenas desenvolvendo a sinergia perfeita entre as partes que resultam em um atendimento com excelência.

Visite o site

ELES RECOMENDAM

Eu adorei o livro.

Especialmente porque como essa área empresarial não é “a minha praia”, eu aprendi bastante e aproveitei algumas dicas pra refletir sobre algumas coisas na minha empresa.

Tania Resende

FINALMENTE!!! 🙂

Já estava mais que na hora da brilhante Tatiana Mattos compartilhar seus conhecimentos sobre atendimento ao cliente e gestão de equipes, temas que ela domina com maestria ímpar!

Tive a felicidade de acompanhar o processo de criação desta empreitada, e fico muito feliz em ver projetos se tornando realidade – tão real que o meu exemplar já está em minhas mãos.

Se você é empresário e/ou empreendedor e se preocupa com a reputação e credibilidade da sua marca, ter o livro “Sinto Muito, Senhora! Nunca Mais” é o primeiro passo para navegar bem por águas que, volta e meia, se tornam agitadas.

Faço votos de muita saúde, sucesso e sorte! SEMPRE!!

Vitor Mattoso

Seu livro é ESPETACULAR! Leitura mais que obrigatória para empresários, gerentes e colaboradores. Acredito, também, que a educação faz a diferença para atendimentos com excelência. A cultura das organizações zela por essa excelência, porém, ainda existe muita mão-de-obra desqualificada. Infelizmente!

Rodrigo Fontana Toledo